Política de Observação de Onças

CONVENÇÃO AECOPAN PARA AS MELHORES PRÁTICAS PARA OBSERVAÇÃO DA FAUNA EM RIOS PANTANEIROS

ESSA CONVENÇÃO É REGIDA PELO BOM SENSO E ESPÍRITO DE CAMARADAGEM DO HOMEM PANTANEIRO.

1. OBJETIVO
1.1 Produzir um documento que sirva como guia para comportamento de todos operadores, piloteiros e guias envolvidos com a observação da fauna nos rios pantaneiros.
2. SEGURANÇA
2.1 Em relação a distância mínima da margem onde o animal se encontra, aonde o rio permitir, manter os 25 metros. Em outras situações manter a distância mínima de 10 metros na margem oposta.
2.2 A distância deverá ser alterada de acordo com o comportamento do animal nunca sendo inferior a 10 metros;
2.3 Em corixos estreitos (<25m), não utilizar poita;
2.4 Considerar os riscos durante período reprodutivo na utilização das margens. Agregação de indivíduos em áreas restritas.
2.5 Guias e piloteiros devem ter o controle da situação em relação a atitudes inapropriadas de turistas.
3. EQUIPAMENTO OBRIGATÓRIO NAS LANCHAS
3.1 ITENS OBRIGATÓRIOS - Todos exigidos pela marinha do Brasil e do Guia de turismo
3.2 ITENS RECOMENDADOS - Colete; Hélice Sobressalente; remo; estojo de primeiros socorros; Extintor de incêndio; guarda sol; água suficiente para consumo; poita; rádio e esta Convenção traduzida em inglês/português para que os turistas tenham acesso às normas.
.4. DESEMBARQUE: O Desembarque durante o passeio apenas será permitido em caso de necessidades fisiológicas desde que na margem oposta ao avistamento e esteja a 100 metros de distância do animal, com supervisão prévia da área realizada pelo guia.
5. EXCEÇÕES A DECIDIR. Divulgação-Mídia: Permissão de atividades de mídia em solo (margem oposta), com a devida autorização de órgão competente. Com aviso prévio para ECOPAN. Benefícios através da divulgação. ONG – grupo; identificar barcos com equipe de filmagem.
6. COMUNICAÇÃO
a. Ter um rádio VHF a bordo;
b. Grupo aplicativo – Whats app.
7. HORÁRIOS DE INÍCIO E TÉRMINO DA ATIVIDADE
a. Início no nascer do sol e término ao pôr do sol;
b. Proibido focagem noturna nas margens do rio.
8. COMPORTAMENTO/ÉTICA NA OBSERVAÇÃO
a. ORDEM DE CHEGADA - Quando o animal parado - O guia que chegar primeiro define o limite de distância do animal e seu perímetro de atuação, os demais devem se posicionar de forma a não bloquear a visão dos demais que forem chegando, respeitando sempre a distância m[mínima de 25m.
b. . Quando o animal em deslocamento terrestre ou fluvial - Ao iniciar o deslocamento aguarda-se uma distância mínima de 50 metros do animal para ligar o motor e deslocamento, mantendo a distância mínima de 30 metros sem preferência de ordem de chegada das embarcações.

9. LIMITES DE QUANTIDADE DE EMBARCAÇÕES: Entendemos que respeitada a distância de 25 metros para o animal e de 10m para a margem, o limite do número de embarcação se dará pelo ângulo de visão disponível.
10. TEMPO DE OBSERVAÇÃO. Propõe-se que não haja tempo limite para a observação de onças.
11. COMUNICAÇÃO VERBAL: Sugere-se desenvolver mecanismo visual em período de observação. Recomenda-se a baixar o volume do rádio. Comunicação entre piloteiro-piloteiro, guia-guia.
12. OBSTRUÇÃO VISUAL: sugere-se que os barcos na frente abaixem sua capota desobstruindo a visualização.
13. MOVIMENTAÇÃO DAS EMBARCAÇÕES: Recomenda-se o afastamento da lancha a remo e depois ligar o motor. Conta-se com o bom senso e respeito às demais embarcações.
14. IMPACTO AMBIENTAL
a. O uso de ceva (iscas) é terminantemente proibido.
b. Arranque do motor e deslocamento deve ser de intensidade que minimize os efeitos degradadores sobre o ambiente e a segurança de outras embarcações.
c. Sugere-se um prazo de 02 anos para que a motorização utilizada na atividade seja toda convertida para motores quatro tempos (mais silenciosos e menos poluentes).
d. É obrigação de todo guia e embarcação retornar todo o lixo produzido à base (inclusive lixo orgânico e sanitário).
e. Estimular a coleta de lixo alheio encontrado na área de atuação
f. Equipamentos não recomendados – Drone e laser  A decidir.
g. Avaliação da manutenção da navegabilidade.
15. ATOS DISCIPLINARES
a. Todos os barcos devem estar identificados de acordo com a origem de sua propriedade (pousada, operadora de turismo, locadoras, entre outras).
b. Qualquer atitude que fira esta convenção deverá ser FILMADA e PUBLICADA no grupo “amigos da ECOPAN”, para discussão no grupo.
c. Quando se tiver repetidas infrações da mesma empresa, piloto ou guia, o mesmo poderá sofrer sanções, a serem decididas pelo grupo ou por uma comissão de TRES pessoas, eleitas para tal fim.

1.6 Aqueles que infringirem a presente resolução ficarão sujeitos as penalidades descritas na Lei Federal nº 9.605, de 12/02/1998, Decreto Federal nº 6.514, de 22/07/2008 e Lei Complementar Estadual nº 038, de 11/12/1995, alterada pela Lei Complementar Estadual nº 232,de 21/12/2005.

Relacionados

Protejendo as Ariranhas
Protejendo as Ariranhas

No inicio da nossa presença nesta região e principalmente no rio Clarinho, as ariranhas ainda eram encaradas como um fo…

Saiba mais
Nossas atividades de baixo impacto ambiental
Nossas atividades de baixo impacto ambiental

 

. Utilizamos energia solar

. Separamos e reciclamos o nosso lixo.

. Evitamos a repetição do mesmo percurso ou circuit…

Saiba mais
Contratamos mão de obra da região.
Contratamos mão de obra da região.

Um dos princípios do ecoturismo, esta na inclusão da mão de obra local. Levamos isto muito a sério, sendo a presença, e…

Saiba mais